Cloud Computing no Brasil

A infraestrutura de comunicação evoluiu consideravelmente, o conceito de cloud passou a ser melhor compreendido e uma série de serviços foram comprovados.
Publicado em:

O mercado de serviços de cloud computing caminha para a maturidade. A infraestrutura de comunicação evoluiu consideravelmente, o conceito passou a ser melhor compreendido e uma série de serviços foram contratados e comprovados por empresas brasileiras de diferentes portes e setores.

Os serviços de infraestrutura as a service assim como de plataformas na mesma modalidade já são uma realidade para uma quantidade crescente de empresas no Brasil, incluindo o próprio setor público.

Alguns setores vêm aderindo aos serviços de cloud computing mais rapidamente como o financeiro e de serviços. Atualmente, uma série de empresas já são constituídas, desde a sua concepção, em um ambiente de nuvem. Esse fato vem se tornando comum especialmente entre empresas de serviços baseados em tecnologia. Por outro lado, setores como manufatura e comércio ainda se encontram nos estágios iniciais de adoção de cloud computing.

Um dos desafios principais para o consumo desse tipo de serviço é justamente a integração entre as aplicações legadas e aquelas baseadas na nuvem. Nesse sentido, não é incomum que os objetivos iniciais de um projeto não sejam atingidos, pois uma série de obstáculos relacionados à integração não são devidamente avaliados previamente. A resposta dos ofertantes dos serviços para este desafio tem se mostrado bastante adequada: desenvolvimento e melhorias nas metodologias de migração para nuvem. Em outras palavras, o foco é movido do aspecto unicamente tecnológico para o processo de migração em si, o que envolve avaliações prévias detalhadas, descritivo apurado das aplicações legadas e as que potencialmente serão contratadas ou desenvolvidas, requisitos de conhecimento necessários para os projetos, análise dos diferentes workloads envolvidos, dentre outros aspectos.

O mercado de serviços e aplicações baseadas em cloud computing vem, na contramão da maioria dos setores, crescendo em receita total apesar da crise econômica que assola o país há quase três anos. Esse fato se deve, além dos próprios benefícios técnicos e operacionais oferecidos pelo modelo, ao seu apelo econômico, já que o uso de aplicações em cloud contribui para a redução dos investimentos em capital fixo e o consumo de acordo com a demanda efetiva, portanto, uma maior racionalização e melhor gestão dos custos.

A perspectiva para o mercado de serviços de cloud nos próximos anos é bastante positiva. A ASM acredita na adoção massiva em diversos setores incluindo aqueles tradicionalmente mais conservadores. A gestão dos custos, flexibilidade e qualidade dos serviços contratados comparativamente aos investimentos que seriam realizados no modelo tradicional são os principais aspectos que sustentarão este crescimento. As empresas tenderão a reconhecer que o foco dos provedores de serviços de cloud resulta em ganhos de escala e qualidade que elas dificilmente conseguiriam atingir em seus ambientes. Esse é um dos aspectos mais importantes da proposta de valor de cloud computing.

A gestão otimizada dos recursos realizada pelos provedores dos serviços de aplicações baseados na nuvem permite às empresas usuárias uma maior agilidade para responder as demandas de seus ambientes de negócios de forma economicamente viável. Em pouco tempo, pode-se, por exemplo, colocar um novo sistema utilizado para uma promoção de vendas ou teste de produto “no ar” sem o comprometimento de investimentos em ativos fixos. Ganha-se muito com a flexibilidade para testar ideias, inovações, atender as demandas dos consumidores e parceiros de negócios rapidamente, dentre outros aspectos.

A demanda por aplicações baseadas em cloud provem de diferentes áreas das estruturas das organizações, por exemplo, finanças, marketing, vendas e RH. Esses departamentos contratam as aplicações como serviços para suas operações diárias e demandas pontuais. Em especial, no caso das áreas de finanças e marketing, a adoção de cloud pelas organizações de forma oficial e estruturada tem também como motivação a minimização do que se convencionou chamar de Shadow IT, ou seja, a contratação de serviços de tecnologia, especialmente aplicações, de forma independente das políticas e gestão das áreas de informática.

Em termos setoriais, o mercado de aplicações e serviços de cloud deve ser impulsionado no biênio 2018-19 especialmente pelas demandas dos setores financeiro, agropecuário, varejo, saúde e governo.

O crescimento da adoção de cloud computing nos próximos anos deverá ser impulsionado em grande parte também pela demanda de empresas de pequeno porte. Nesse caso, muitas vezes a baixa complexidade dos ambientes de tecnologia favorece uma inserção natural e sem sobressaltos no mundo das nuvens. Como exposto anteriormente, atualmente muitas empresas já são constituídas com todos seus recursos de dados e aplicações baseados na nuvem.

Em relação às empresas grandes e médias, a existência de aplicações legadas constitui muitas vezes o maior desafio, tanto para integração destas com aquelas baseadas em nuvem, quanto a própria migração dessas aplicações para esse modelo. Nesse contexto, o método e os processos adotados para os projetos de migração e integração das aplicações são fatores críticos para que os investimentos sejam devidamente recompensados.

Este texto dá início a uma série de posts sobre cloud computing no Brasil abordando aspectos como conceitos, tendências, panorama de adoção no Brasil, benefícios para empresas de diferentes portes, dentre outros.