Internet das Coisas (Internet of Things): aplicações ilimitadas

Como comentado no post anterior, o potencial de desenvolvimento de novas aplicações baseadas na Internet das Coisas (IoT) é ilimitado. Diversas aplicações serão desenvolvidas nos próximos anos com impactos significantes em nossas vidas particulares e como sociedade. Listaremos abaixo algumas aplicações que já se encontram em operação ou que estão ainda em fase de desenvolvimento. […]
Publicado por: Mariana Cimaschi
Publicado em:

Como comentado no post anterior, o potencial de desenvolvimento de novas aplicações baseadas na Internet das Coisas (IoT) é ilimitado. Diversas aplicações serão desenvolvidas nos próximos anos com impactos significantes em nossas vidas particulares e como sociedade. Listaremos abaixo algumas aplicações que já se encontram em operação ou que estão ainda em fase de desenvolvimento. Devido ao grande número e diversidade de aplicações, as mesmas serão apresentadas por setor em um primeiro momento, e o conjunto completo será dividido em posts diferentes.

Nos setores de varejo, atacado e indústria as estantes inteligentes (Smart Shelves) serão amplamente utilizadas nos próximos anos. Tais estantes informarão sobre a disponibilidade dos produtos nas prateleiras, o momento exato para reposição, alertas sobre deterioração, necessidade de recolocação de material de merchandising, necessidades de aumento ou redução de produção, dentre outros aspectos. Essas estantes interagem com outros equipamentos (smartphones, monitores, laptops, etc.) através da identificação por rádio frequência. Elas possuem a capacidade de fazer a leitura dos produtos colocados sobre as prateleiras desde que os mesmos possuem etiquetas de RFID (Radio Frequency Identification).

As Smart Shelves ou “estantes inteligentes” trarão enormes benefícios para a gestão de estoques de lojas e armazéns. Por exemplo, uma loja ou supermercado poderá saber exatamente o que possui em suas prateleiras já que as próprias gondolas e estantes transmitirão atualizações sobre produtos retirados por consumidores ou utilizados em processos fabris, no caso da indústria. Devido à comunicação com diferentes equipamentos, será possível automatizar inclusive o próprio processo de requisição de mercadorias e materiais, pois algumas estantes terão a capacidade de emitir ordens de compra para fornecedores ou centrais de abastecimento. Tal processo pode ser automático ou mediante a aprovação do pessoal responsável pela reposição de estoques.

Ainda no varejo, atacado e indústria, sensores instalados nas caixas e embalagens de produtos poderão informar sobre os níveis de umidade e temperatura nos locais de armazenamento, que poderão, por sua vez, realizar o ajuste automático ou sinalizar para uma intervenção humana.

Em shoppings e lojas de departamento será possível o envio de mensagens sobre ofertas e promoções de produtos específicos diretamente para os smartphones dos consumidores com base em seus padrões de compra e interesse. Por exemplo, poderá ser informada a disponibilidade de determinado item que o próprio consumidor assinalou como de seu interesse em uma ocasião em que o mesmo não estava disponível.

A IoT (Internet of Things) vem sendo aplicada na pecuária, por exemplo, no monitoramento de bovinos. Com a utilização de etiquetas RFID é possível acessar uma série de informações sobre cada animal, como sintomas de doenças em estágios iniciais, laudos de exames veterinários, doenças já adquiridas e combatidas, histórico de vacinação, temperatura do corpo, dentre outras. Esses dispositivos auxiliam também na fiscalização da autenticidade, rastreabilidade e controle de transporte. Os produtores brasileiros vêm adotando crescentemente a identificação por rádio frequência inclusive com a utilização de tecnologia desenvolvida inteiramente no país.

Na agricultura, através de sensores, será possível controlar o nível de pesticidas e outras substâncias químicas utilizadas na produção. Esses sistemas poderão auxiliar os agricultores a acelerarem os processos de registro e autorização de suas produções junto a autoridades responsáveis pelo controle de qualidade. Com esse tipo de tecnologia os agricultores poderão notificar automaticamente seus compradores sobre a disponibilidade de produtos, fornecendo uma série de detalhes pertinentes. Existe aí uma possibilidade inovadora de um contato direto entre agricultores e consumidores, que poderá favorecer especialmente pequenos e médios produtores.

Na indústria automotiva a utilização da Internet das Coisas (IoT) trará uma série de benefícios para toda a cadeia de valor, desde o consumidor até os fornecedores de diversos níveis das montadoras. O monitoramento em tempo real de veículos é um dos exemplos mais diretos. Será possível acompanhar dados sobre os motores, pressão dos pneus, consumo de combustível, localização, velocidade, distância em relação a outros veículos, locais próximos para paradas e consertos, dentre outros aspectos. O uso de tecnologias de identificação em autopeças oferecerá a indústria possibilidades concretas de acompanhamento da utilização de cada componente, informações para melhorias nos processos de produção, suporte proativo, dentre outras.

Os sistemas industriais inteligentes baseados em IoT poderão ser usados para o monitoramento de plantas industriais, por exemplo, na redução do risco de acidentes em locais de alto risco.  Nesse sentido, sensores acoplados a contêineres onde são estocados produtos tóxicos poderão emitir sinais automáticos em casos de vazamentos, incompatibilidade entre elementos químicos armazenados em locais próximos, ou níveis máximos de determinado componente dentro de cada compartimento.

No próximo post continuaremos abordando outras aplicações da IoT já em desenvolvimento incluindo o uso na saúde, projetos de cidades inteligentes, consumo de energia, dentre outros.