Otimização de Conversão: a importância do CRO (Conversion Rate Optimization) em paralelo com as estratégias de SEO

Uma estratégia efetiva de SEM (Search Engine Marketing) deve direcionar para um website o maior volume possível de tráfego qualificado, no entanto muitos acessos não garantem o número esperado de conversões.
Publicado em:

Uma estratégia efetiva de SEM (Search Engine Marketing) deve direcionar para um website o maior volume possível de tráfego qualificado, no entanto muitos acessos não garantem o número esperado de conversões. Nesse sentido, o conceito de Otimização de Conversão (ou CRO, Conversion Rate Optimization) se torna fundamental para concretizar os resultados esperados com os investimentos em marketing no ambiente digital. O CRO tem como finalidade aumentar a eficiência do website para que as visitas se reflitam em conversões – seja ela na forma de compras, cadastros, acessos a determinados conteúdos, doações, entre outras.

A Otimização de Conversão pode ser analisada como uma extensão do SEO (Search Engine Optimization): enquanto as estratégias de search têm como foco atrair o maior número de visitantes qualificados possível, o CRO garante que o site atenda o que foi divulgado durante as buscas e, também, que a experiência do usuário seja ideal (em especial nas Landing Pages). Assim, uma maior porcentagem de acessos resultará em taxas mais elevadas de conversão.

 

Assim como o SEO, a otimização de conversões é um processo contínuo de análise e adequações. Porém, seu ponto inicial é garantir que o site opere de acordo com o esperado pelos usuários. Há diversas estratégias e ações que podem se enquadrar melhor às particularidades de cada negócio, mas é importante na medida do possível seguir os pontos abaixo para a manutenção de um site coeso e funcional:

  • Conhecer o público-alvo e tendências: um site alinhado ao público-alvo converte mais. Somente conhecendo as tendências do público e como ele se comporta dentro do site é possível criar um ambiente que atenda às expectativas do mesmo e, assim, incluir os pontos de conversão nos locais corretos;
  • Adotar designs funcionais: um design no estilo clean segue a tendência atual e oferece melhor navegação e destaque aos pontos de conversão. A taxa de rejeição é reduzida quando o usuário encontra o que procura facilmente. É importante garantir que o site trabalhe com igual performance no ambiente Mobile. Nesse sentido, um design clean também é recomendado;
  • Transmitir valor: conteúdo, design, selos de segurança e depoimentos são exemplos de elementos que transmitem credibilidade. Reduzir a insegurança do usuário é umas das principais táticas ao se trabalhar com conversão. Um usuário inseguro pode se tornar apenas mais um bounce (visitante que desiste da navegação após acessar apenas uma página).
  • Criar um fluxo que leve à conversão: alguns suspects podem chegar ao website através de uma busca específica que o leva diretamente à página de conversão, outros podem navegar por diversas áreas do site até executar uma ação. Portanto, o site deve ser construído com o objetivo de direcionar o cliente ao objetivo final. Recomenda-se que o conteúdo de interesse de cada tipo de usuário esteja a sua disposição em no máximo 4 cliques a partir do menu inicial.
  • Reduzir a velocidade de carregamento: além de impactar o ranqueamento nos buscadores, sites com carregamentos lentos possuem taxas maiores de rejeição. Enquanto um site não responde, o usuário pode encontrar o que procura em outro resultado do ranking de busca.

A landing page é uma das principais responsáveis por conversões em qualquer website e, em contrapartida, é nela que ocorrem cerca de 80% das desistências. Devido a essa característica, os maiores esforços do CRO se concentram neste ponto. No próximo post desta série a ASM tratará especificamente sobre a otimização de landing pages com vistas a aumentar a taxa de conversão de visitantes qualificados.