Otimização de websites: critérios para ranqueamento (parte 1)

O Google ainda utiliza diversos critérios técnicos e numéricos para seleção das páginas exibidas na SERP (Search Engine Results Page).
Publicado em:

Nos posts anteriores desta série, a ASM dialogou sobre o SEO no cenário atual, atividade que evolui constantemente devido às mudanças no comportamento das ferramentas buscas e consequente evolução dos algoritmos do Google (e outros buscadores), com foco na promoção de um ambiente mais rico em conteúdo e melhores experiências para os usuários. É possível analisar a evolução da inteligência artificial, que possibilita aos indexadores não depender apenas de palavras-chave e características técnicas para a seleção de resultados, mas sim de uma capacidade de compreensão do padrão de comportamento de cada usuário no processo de busca, entregando resultados personalizados, baseados em informações relevantes.

Contudo, o Google ainda utiliza diversos critérios técnicos e numéricos para seleção das páginas exibidas na SERP (Search Engine Results Page). Estima-se que sejam analisadas cerca de duzentas características neste processo. Apesar da empresa não ser totalmente transparente quanto ao valor atribuído a cada critério, é possível identificar os mais relevantes, reunindo-os em 5 grupos.

Fatores On Page

Conteúdo semântico: termos que transmitem o sentido da palavra-chave e podem ser relacionados a esta devem ser usados no texto para esclarecer seu significado ao Google.

Palavra-chave na URL: a estrutura da URL deve ser amigável e conter a palavra-chave.

Tamanho do conteúdo: atualmente textos extensos, com mil palavras ou mais, contribuem para um melhor posicionamento nas buscas, pois tendem a apresentar conteúdos mais profundos.

Palavra-chave no início do texto: os indexadores se concentram mais nas cem primeiras palavras de um texto. Logo, deve-se buscar incluir a palavra-chave e suas relações semânticas neste intervalo.

Multimídia: quanto maior a diversidade de formatos utilizados para a transmissão da mensagem, o Google compreende informações ricas e complexas, ou seja, utilizar textos, imagens, infográficos, vídeos, entre outros, pode garantir alguns pontos.

Palavra-chave na tag H1: por estar no topo da hierarquia das heading tags, quando contém a palavra-chave trabalhada na página pode beneficiar um melhor posicionamento.

Imagens otimizadas: os indexadores apenas compreendem imagens que exibem tags alt (texto alternativo) e src (nome do arquivo).

Parágrafos curtos: parágrafos curtos e conteúdos em tópicos simplificam a categorização de um texto pelos indexadores e simplificam a transmissão da mensagem ao leitor.

Conteúdo atualizado: websites que mantém páginas e conteúdos atualizados periodicamente obtém melhores pontuações para ranqueamento.

Fatores Off page

Qualidade dos links em páginas externas: links em websites relevantes e que apresentam bom posicionamento, indicam um conteúdo confiável e coerente.

Localização do backlink na página: links na região central de um texto apresentam mais credibilidade do que em box, por exemplo. Isso demonstra a naturalidade da citação.

Contexto do backlink: os indexadores são capazes de compreender o contexto em que um link está inserido. Logo, quando em fóruns de reclamações ou em websites responsáveis por spam, por exemplo, a página poderá perder pontos no ranking.

Velocidade de ganho de backlinks: quando a página mantém um ganho constante de citações, os indexadores compreendem que o conteúdo é relevante e está sendo distribuído de forma exponencial. Porém, quando uma página obtém grande volume logo após sua publicação, mas esta frequência não se mantém, é identificada uma possível ação spam e a página pode ser rebaixada.

Conteúdo gerado pelo usuário (UGC – User Generated Content): o Google, em especial, difere links em conteúdos produzidos por um website ou por usuários (fóruns, comentários, interações em determinadas redes sociais). Assim, oferece melhores posições para estas páginas, pois indicam conteúdos originais e autênticos.

No post seguinte, a ASM continuará o diálogo sobre este tópico, trazendo os critérios de ranqueamento mais relevantes entre fatores de domínio, fatores de usuário e fatores de penalização.